05/10/2010

OFFSET 2010 – Parte 1

Como eu havia contado para vocês, neste final de semana passado eu estava participando de uma conferência bem diferente aqui em Dublin chamada OFFSET.

Foram 3 dias dedicados à palestras e conversas com talentos da comunicação visual – fotógrafos, ilustradores, publicitários, designers gráficos, coletivos, estúdios de design, artistas, animadores, DJs, diretores de criação, etc.

Havia duas opções de bilhete, uma que dava acesso aos 3 dias e outra que permitia o acesso por apenas um dia. Quem participou dos três dias ganhou uma pulseirinha que funcionava como o passe de entrada no Grand Canal Theatre.

As palestras começavam às 10 da manhã e terminaram às 7 da noite e durante o almoço tínhamos a opção de assistir a alguns filmes, como por exemplo, o maravilhoso Lost and Found, baseado no livro infantil de Oliver Jeffers e produzido pelo Studio AKA (veja um pouquinho deste trabalho aqui)

Infelizmente não dava para “fazer tudo ao mesmo tempo”, pois havia conversas e palestras acontecendo simultâneamente. As palestras no palco principal do Grand Canal Theatre e as conversas no terceiro andar do prédio. Vou contar um pouco para vocês o que eu vi por lá.

A conferência foi aberta por Adrian Shaughnessy e Tony Brook da Unit Editions, uma editora do Reino Unido que vive do mercado gráfico e produz livros únicos que são vendidos somente online. O que eu aprendi com esta palestra? Que vivemos em um mundo onde temos controle daquilo que queremos fazer (no caso, produzir livros e arte), pois temos acesso à quase todas os recursos necessários para produzir e criar o que quiseremos, mas que devemos levar muito a sério o processo de edição de conteúdo, pois nem todas as informações que dispomos são de qualidade…

Depois vi uma apresentação de um ilustrador alemão muito bacana chamado Martin Haake que dividiu conosco como ele se tornou um ilustrador, o processo de criação dele e suas inspirações. O mais bacana desta apresentação foi a explicação de como muitos elementos da infância dele o influenciaram e como ele teve problemas em desenvolver um estilo único, já que é da natureza do artista explorar e experimentar novas técnicas, traços, etc…

Então chegou a hora de conhecer um pouco mais do mundo das comunicações com Aiden Grennelle, diretor de criação da agência irlandesa Image Now. Ele contou um pouco sobre o que a empresa faz e os principais trabalhos que eles desenvolvem, como por exemplo, a identidade visual do “Dublin Bus”. Mas acho que o que ele disse que mais teve impacto sobre mim foi que “Qualidade é uma atitude” – Achei excelente.

Então pude apreciar o enorme talento do estúdio de animação chamado Studio AKA. Os caras que trabalham neste estúdio são feras, de verdade, e não teve como não ficar babando ou morrendo de vontade de trabalhar lá, vocês não podem deixar de ver alguma animação deles, como eu já recomendei, assistam Lost and Found, é demais!

Assisti também à uma apresentação do artista Daniel Eatock, que tem uma fascinação por ciclos e equilíbrio…

e outra palestra feita pelo americano Steve “Espo” Powers, um artista que faz graffiti, principalmente nas ruas de Filadélfia e Nova Iorque.

Chegando ao final do dia fui surpreendida pela ótima apresentação da agência criativa Poke London, que manda muuuito bem em seus projetos, tendo clientes como Skype e Tate Modern. O trabalho deles é tão bem feito e inovador que dá uma vontade doida de sair por aí criando coisas novas. Querem saber qual é a meta deles ao criar um novo projeto? Criar um produto que seja muito importante para as pessoas, algo como o Google… haja ambição!

A sexta-feira terminou com a palestra de Scott Dadich, diretor criativo da Wired Magazine nos EUA que mostrou como as publicações já estão sendo adaptadas para o iPad, promovendo novas formas para publicidade, gerando a re-invenção do processo de publicação, tudo isso mantendo os leitores como prioridade número um.

Apesar de algumas apresentações terem sido mais comerciais que outras, sempre é possível bater um papo com os convidados entre uma palestra e outra, além de conhecer pessoas, trocar contatos e participar mais da pequena, mas crescente, comunidade criativa Irlandesa.

Este é o segundo ano que o OFFSET existe e espero que ele continue acontecendo anualmente. Em breve trago meu relatório sobre o segundo dia no OFFSET!

Espero que vocês tenham gostado!

Postado por: | Comments (16)

16 Comments »

  1. Adorei seus resumos, tudo tão bem explicadinho! Sou apaixonada por pinguins, fiquei com muita vontade de assistir Lost and Found.

    Comentário by FerNanda — 05/10/2010 @ 10:09 pm

  2. Oi Fernanda!

    Muito obrigada. 🙂 Fico feliz em saber que você gostou de conhecer esta conferência com mais profundidade e já que você é apaixonada por pinguins, eu recomendo que você leia o livro infantil do Oliver Jeffers “Lost and Found” que deu origem ao filme, o livro infantil “Penguin” de Polly Dunbar e que, com certeza, assista o filme, porque é MUUUUITO LEGAL!

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 05/10/2010 @ 10:22 pm

  3. Tarsila,

    Vc só fez minha vontade de ir pra Irlanda crescer mais e mais.
    Nossa quanto talento reunido!!

    Eu tmb irei torcer para que o evento continue acontecendo pois daqui a um ano estou ai e quero muuuito poder ir a OFFSET!

    Bjs

    Comentário by Narjara Ribeiro — 05/10/2010 @ 10:47 pm

  4. Nossa, muito interessante mesmo!

    Mas me explica: como assim temos controle sobre tudo o que queremos fazer?

    Ah, tem um fantasma na foto do teatro vermelho. Hehehe…

    Comentário by Adryan — 06/10/2010 @ 3:33 am

  5. Oi Narjara!

    Fico feliz que a sua vontade ficou ainda maior, pois existem coisas muito bacanas aqui e acho que vale a pena conhecê-las, como por exemplo o OFFSET, onde há, realmente, muito talento reunido.

    Vamos esperar que tenha o OFFSET 2011 e daí podemos ir juntas! 🙂

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 06/10/2010 @ 11:54 am

  6. Oi Adryan!

    Foi uma conferência bem legal, agora vou explicar o que ele disse sobre o “controle sobre tudo”.
    Hoje, especialmente com a internet, temos acesso às inúmeras fontes de onde obtemos nossas informações/referências, podemos escolher como editá-las, transformá-las, compilá-las e podemos escolher qualquer forma que quisermos para publicá-las sem precisarmos passar pela aprovação de grandes editoras ou gravadoras. 🙂 Espero que tenha ficado mais claro.

    E sim, tem mesmo um (uma?) fastasma no teatro…uuuuuhhh rsrsrs.

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 06/10/2010 @ 12:01 pm

  7. Nossa, que evento incrível tarsila!!

    Agora me diz uma coisa, esse tipo de evento (direcionado para um tipo de profissionais em específico), são bem divulgados?? Quem não trabalha na área tem acesso as informações sobre este evento? Pois se acontece um desses aqui em POA, eu nem fico sabendo, me interesso muito pelo assunto, mas não sou da área.
    Obrigada

    Comentário by Carina Portal — 06/10/2010 @ 1:29 pm

  8. Olá Carina!

    Pois então, a maioria dos eventos aqui em Dublin não são muito divulgados, exceto, como você mesma apontou por pessoas que trabalham na área ou procuram informações sobre o assunto, muito embora o OFFSET 2010 foi bem mais divulgado do que o de 2009.

    O truque é ler posters em lojas, cafés, pegar flyers, entrar em sites dos lugares que você gosta, conversar com as pessoas…tudo isso promove o boca-a-boca e muitos eventos são divulgados deste modo.

    Eventos maiores, como o Festival of World Cultures de Dun Laoghaire http://www.vidanairlanda.com/2010/07/dun-laoghaire-festival-of-world-cultures-2010.html são bem divulgados, mas é sempre bom se manter atenta. 🙂 As escolas também sempre tem flyers de eventos que estão acontecendo, portanto elas podem ser um bom canal para eventos diferentes.

    Espero ter ajudado e se precisar é só escrever!

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 06/10/2010 @ 3:14 pm

  9. Leio sempre o seu blog e gosto muitoooo, apesar de eu nao colocar sempre comentarios. O que acha de voce criar uma agenda com os eventos que vc souber? Sera otimo…beijos

    Comentário by Danda — 06/10/2010 @ 3:37 pm

  10. Obrigado, Tarsila entendi! Agora, desculpa, mas tenho mais uma dúvida se não for incômodo: como é possível publicá-las sem passar pela aprovação de grandes editoras ou gravadoras, especificamente?

    Comentário by Adryan — 06/10/2010 @ 7:16 pm

  11. Oi Adryan!

    Vamos lá: Você pode publicar seus materiais de diversos modos, você pode produzir cartões, folhetos, livros através de empresas de impressão online, também pode divulgar seu material (em áudio) através do MySpace, YouTube, iTunes, Blogs, websites, podcasts em qualquer formato, texto, visual, áudiop, etc. Eles querem dizer que hoje nosso conteúdo pode alcançar qualquer usuário da internet, e que portanto, nos tornamos mais independentes em relação às nossas criações. Que não é necessário ter um contrato com uma editora ou gravadora para se tornar conhecido.

    Espero ter ajudado e se precisar é só escrever!

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 06/10/2010 @ 8:36 pm

  12. Olá Danda!

    Fique a vontade para comentar quando quiser, mas já agradeço suas visitas freqüentes!
    Sua sugestão é muito bacana e já que eu adoro eventos acho que pode ser uma boa sim!
    Muito obrigada pela sugestão!

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 06/10/2010 @ 8:40 pm

  13. Obrigada Tarsila pelas dicas, espero poder encontrar. Beijos.

    Comentário by FerNanda — 07/10/2010 @ 6:38 pm

  14. Olá Fernanda!

    Disponha, fico feliz em poder ajudar e espero poder conhecê-la também!

    E se precisar é só escrever!

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 08/10/2010 @ 8:48 am

  15. Olá Tarsila,
    Me chamo Marcia, moro em Berlim, sou formada em artes visuais e amo design, ilustracao enfim…arte no geral. Queria saber como é o mercado ai em UK para designers, web designers. Só uma pincelada!
    te agredeco desde já, amo seu Blog!
    bju

    Comentário by marcia — 11/04/2012 @ 10:58 am

  16. Olá Marcia!

    Wie geht’s?
    Muito obrigada pelo carinho. 🙂
    A Irlanda não faz parte do Reino Unido, apenas a Irlanda do Norte e, de modo geral, a Irlanda tem um mercado criativo pequeno tanto que muitos ilustradores e artistas vão para a Inglaterra em busca de novas oportunidades. Acredito que se você está buscando mais estímulos que em Berlin talvez Londres seja um destino mais interessante.

    Espero ter ajudado,

    Beijinhos

    Comentário by Tarsila — 27/04/2012 @ 3:55 pm

Leave a comment

Comentários que não contribuem para o tópico acima serão deletados.